Teatro Experimental

Histórico

Foto dos Integrantes do Teatro Experimental de Alta FlorestaGrupo teatral fundado em 1988, registrado como Pessoa Jurídica sem fins lucrativos,  reconhecido como utilidade pública em nível Municipal (Lei nº 216/1989) e Estadual (Lei nº 6.208, de 23/04/1993, publicada no D.O. de 30/04/93). É Ponto de Cultura, tendo sido beneficiado por convênio entre Governo do Estado de Mato Grosso e Ministério da Cultura até dezembro de 2014 e norteia sua organização a partir dos princípios de  1) Radicalidade: raiz, clareza e profundidade; 2) Rigorosidade: sistêmica, comprometimento, disciplina, compromisso, organização; 3) Ruptura: provocatibilidade, criação e não-reprodução; 4) A felicidade do conhecimento, ou seja, a sede pelo conhecimento; 5) Pesquisa permanente: radical, rigorosa e de ruptura; 6) Estabelecimento, nos processos de produção, da construção de uma cultura de competências/comprometimentos; 7) Fortalecimento da relação de produção democrática e participativa. Na gestão e nos processo criativos adota a prática de uma relação horizontalizada.

Ao longo de seus 27 anos o TEAF produziu 39 espetáculos teatrais e atualmente está em seu repertório o espetáculo “Dom Quixote”, texto de Antônio José da Silva (O Judeu), adaptado e dirigido pelo diretor português Horácio Manuel, montado no ano de 2008.

Desde sua fundação o TEAF tem participado de discussões, debates e ações da política teatral no Estado e fora dele em eventos como: Mergulho Teatral no Rio de Janeiro (promovido pela CONFENATA, em 1995), Conferência Nacional de Cultura (2005 e 2010); I Encontro de Artes Cênicas do Cerrado (2007); Mostra Myriam Muniz de Teatro Catarinense (2007); IV Festival de Teatro da Amazônia, em Manaus (2007); 7° Encontro do Próximo Ato (2009); participou, em 2010, do Platform 11 Plus em Palmela/Portugal, organizado pelo grupo de teatro O Bando; Congresso Brasileiro de Teatro em Osasco/SP (2011); Programa Rumos Teatro da Itaú Cultural, projeto desenvolvido conjuntamente com o Grupo Celeiro das Antas, da cidade de Brasília, e que resultou no artigo “O teatro possível – reflexões sobre o tema à luz das práticas do Teatro Experimental de Alta Floresta e Celeiro das Antas”; participou, em 2014, do Encontro Legados Rumos Teatro no Itaú Cultural, em São Paulo; e, desde sua função participou de vários festivais, mostras e encontros de teatro de abrangência municipal, regional, estadual e nacional.

Dentre as ações permanentes que o Grupo realiza estão: Festival de Teatro da Amazônia Mato-grossense (já na quinta edição), cuja programação é formada por mostra não competitiva de espetáculos nacionais e internacionais; Tertúlia Teatral – espaço de trocas de experiências, debates e formações entre os grupos teatrais; Seminário de Cultura de Alta Floresta (desde 2004), evento regional que discute as esferas da sociedade, temas diversos da cultura e o fazer teatral, além de embrenhar-se pela compreensão do espaço “Território Portal da Amazônia”; Biblioteca Comunitária Entrelinhas - desde meados de 2009 o grupo mantém a biblioteca que tem acervo voltado principalmente para as artes, tendo obras nas áreas de teatro, literatura, artes plásticas, fotografia, cinema, cultura popular, filosofia, história, humanidades, dentre outras; Curso Livre de Teatro - o curso existe desde o seu reconhecimento do Grupo como Ponto de Cultura e atende crianças, jovens e adolescentes.

Na área do audiovisual o grupo realizou os documentários “SISCOS – Sistema de Comercialização Solidária” (2012) e “Sementes do Portal” (2013). O Grupo também foi a base, de elenco e de produção, na realização do filme curta-metragem “Vestígios do Tempo”, com roteiro e direção de Ronaldo Adriano. Primeira obra cinematográfica feita por um realizador de Alta Floresta.

TEAF - Teatro Experimental de Alta Floresta - CNPJ: 01.331.834/0001-42
Todos os direitos reservados - As imagens são meramente ilustrativas.